E ele fez a sua Páscoa...


Clique na imagem para ampliar

É com o coração muito triste que informamos que o nosso querido e amado Irmão Geraldo faleceu no fim da tarde desta quinta-feira (01/02). O velório está acontecendo em nossa igreja matriz. Às 15h desta sexta-feira (02/02) será celebrada a missa de corpo presente, presidida por Dom Nelson Ferreira e transmitida ao vivo pela TV3. O féretro sairá logo após a missa, para o sepultamento no Cemitério Municipal São José, em Três Rios, a pedido do próprio Irmão Geraldo.

Nascido em Barbacena, Minas Gerais, no dia 06 de maio de 1928, Luiz Augusto Salgado, o nosso querido e amado Irmão Geraldo é filho de Augustinho da Cruz Salgado e Maria Vitor Salgado. O casal teve 10 filhos. Aos dez anos Luiz sentiu fortemente a vocação de ser missionário do Verbo Divino. Aos dez anos entrou para a Congregação do Verbo Divino, mais precisamente no Instituto Missionário São Miguel que fica em Borda do Campo, a dez quilômetros da cidade de Barbacena.

Luiz iniciou o noviciado em 1944 e o concluiu fazendo os votos no dia 02 de fevereiro de 1946, há 72 anos. Hoje este noviciado é feito em apenas um ano.

De uma forma geral a data de 02 de fevereiro é mantida para professar os votos de todos os missionários da Congregação por corresponder a apresentação de Jesus no Templo. O Irmão era religioso de profissão pelos três votos: castidade, pobreza e obediência. Naquela época quem entrava em uma congregação ou ordem religiosa era costume ao entrar no noviciado mudar de nome.

A ideia inicial de Santo Arnaldo Janssen era fundar uma associação de missionários para divulgar o Evangelho entre aqueles que não conhecem Cristo. No início não havia formação para padres. Os padres que sentiam o apelo de ser missionários é que procuravam a Sociedade. Assim aconteceu com o primeiro padre missionário que foi para a China e tornou-se Santo, José Freinademetz. Os padres diocesanos cujo superior é o Bispo, não fazem votos apenas assumem o compromisso de ser celibatários.

Após os votos, já com o nome de Irmão Geraldo, nome este escolhido pela Congregação, foi transferido para São Paulo, para o bairro de Santo Amaro no Seminário do Espírito Santo onde trabalhou como alfaiate fazendo batinas. Em 1963 foi para a Alemanha fazer um curso de aperfeiçoamento em alta costura e antropologia. Após o Concílio Vaticano II o uso da batina passou a ser facultativo e o Irmão aproveitou o tempo disponível para cursar na Universidade de São Paulo – USP – as faculdades de Filosofia, Psicologia e Pedagogia. Ficou em São Paulo até 1979.

Nesta data foi novamente transferido, desta vez para Juiz de Fora, Minas Gerais, onde trabalhou na divulgação da Gráfica Esdeva até 1981, quando foi vendida. Neste mesmo ano o Irmão voltou novamente para Borda do Campo o Instituto Missionário São Miguel onde exerceu a função de Diretor de Estudos até 1985.

De uma maneira geral os Seminários Menores, que aceitavam meninos até 15 anos, para os primeiros estudos, foram desativados. Não foi diferente com o Instituto São Miguel que a partir de 1985 passou a ser uma casa de encontros, o Irmão ainda permaneceu lá.

Em 1989 foi transferido para a Paróquia São José Operário, no bairro do Triângulo em Três Rios, uma vez que esta paróquia estava sem padre. Ficou um ano sozinho na Paróquia até que foi enviado o Padre Joel. Neste ano em que esteve à frente da Paróquia conseguiu trazer recursos da Alemanha, da entidade Adveniat para ajudar na construção da Capela de Santo Antônio no bairro Ponto Azul, já que é pensamento do Irmão que bairro, tenha um local próprio onde as pessoas possam se reunir para orar e meditar o Evangelho. Foi também iniciada a construção da Capela dedicada a Santa Rita, no bairro Ponte da Garças, construída por Dona Gilda.

Em 1991 o Irmão Geraldo veio para a nossa Paróquia São Sebastião, onde permanecia até então. Dedicou seus dias a atender e ajudar pessoas que o procuravam, fazia celebrações na Matriz e em todas as capelas da Paróquia, inclusive atendendo no terceiro domingo a Capela de Nossa Senhora Aparecida em Santa Fé, Minas Gerais, onde também fazia um atendimento social, encomendava falecidos, cujos parentes o procuram, independente de dia e horário, e ainda arranjava tempo para, toda terça-feira, fazer e distribuir uma sopa aos carentes nas dependências da Capela de São Judas Tadeu, além de atender com interesse e carinho qualquer pessoa que o procurasse para dirimir dúvidas sobre o Evangelho, trocar ideia, aconselhamento ou mesmo para uma prosa interessante já que nosso Irmão tem conhecimentos e experiência de vida e da religião.

Certa vez, perguntado sobre o que sonhava para o futuro, disse que está numa caminhada, aguardando o toque. E sobre o norte de sua vida, respondeu ser sempre e prioritariamente a divulgação do Evangelho. Ele disse viver um momento de muita alegria ao constatar que a religião católica tem avançado muito divulgando o Evangelho através dos meios de comunicação.

A mensagem que o nosso querido Homem Santo deixou para nós é de procurar conhecer a fundo a religião católica, uma religião de amor com muitos exemplos como os Santos. Conhecer para não ser apenas um católico. Mas ser um católico feliz.

Sua vida foi dedicada na maior perta a divulgação do Evangelho, sem falar do exemplo como pessoa acolhedora, humilde, caridosa e sempre disponível que deixa para nós!

Estamos tristes pela perda irreparável para nossa comunidade católica, mas felizes por ele estar agora junto do Pai, a quem serviu por tantos anos e com tanto carinho, amor e dedicação.

Vá em paz Irmão Geraldo! Te amamos muito! O senhor estará em nossos corações, sempre! ❤ São Geraldo dos Pobres, rogai por nós! ❤

 

*Bibliografia extraída da edição 62, de maio de 2017, do informativo Anunciador, de nossa paróquia.